Mais Lidas

Licitação no Detran

Distritais se defendem de acusação em esquema investigado pelo MPDFT

MP investiga direcionamento em licitação milionária no Detran

acessibilidade:

Os deputados distritais Celina Leão (PPS) e Rafael Prudente (PMDB) encaminharam respostas à Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e Social (Prodep). Eles são apenas dois dos 16 envolvidos em um suposto esquema de corrupção investigado pelo Ministério Público do DF e Territórios. 

Segundo denúncia, houve favorecimento na contratação de uma empresa que presta serviços de vigilância em licitação promovida pelo Departamento de Trânsito. O Inquérito Civil Público foi instaurado em novembro passado, mas a licitação ocorreu alguns meses antes, em agosto. O valor do contrato é de R$ 18,3 milhões. Servidores do Detran/DF e representantes da empresa também são investiagdos.

Segundo o MPDFT, há indícios de ilegalidades e arbitrariedades cometidas na licitação. O pregoeiro, Tiago Moura Lima, seria agente comissionado sem vínculo com a Administração e apadrinhado por Celina Leão. A empresa Global Segurança, segundo o MP, foi considerada vencedora mesmo não tendo cumprido as exigências do edital. Este, teria sido modificado após a finalização do processo, que levou somente 10 dias.

A denúncia aponta que a empresa seria do ex-deputado distrital Leonardo Prudente, pai de Rafael Prudente. No entanto, estaria em nome de laranjas.

A denúncia diz ainda que Celina teria ‘poderes’ dentro do Detran e trocava contratações e poderes no órgão por ‘favores’, como, por exemplo, colocar em votação projetos que favorecem o Detran. O inquérito aponta ainda que a distrital teria influência também na Defensoria Pública do DF. Lá, Celina teria indicado correligionários para cargos e, como contrapartida, aprovação de projetos que beneficiassem o Detran.

O pregão que teve a Global como vencedora tem três pedidos de impugnação na Justiça. Um dos questionamentos é a velocidade que a contratação foi realizada.

Rafael Prudente e Celina Leão negam as acusações.