Lesa Pátria

PF bloqueia bens de general e busca provas de ligação com 8 de Janeiro

Na reserva, Ridauto Lúcio Fernandes é investigado pela 18ª fase da Operação Lesa Pátria

acessibilidade:
General Ridauto Lúcio atuou no Ministério da Saúde entre 2021 e 2022 (Foto: Reprodução/Exército Brasileiro)

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (29) a 18ª fase da Operação Lesa Pátria, que cumpre mandados judiciais para buscar e apreender provas que possam ligar o general da reserva do Exército, Ridauto Lúcio Fernandes, aos ataques do 8 de Janeiro, que destruíram as sedes dos Poderes da República em protesto violento que visava destituir o presidente Lula (PT). O mandado de busca e apreensão é cumprido em endereço do militar, em Brasília.

Na ação determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o oficial que integrava as Forças Especiais do Exército teve bloqueados seus bens, ativos e valores.

O general Ridauto foi homem de confiança do general Eduardo Pazuello, quando este foi ministro da Saúde do governo de Jair Bolsonaro (PL). E ficou lotado no cargo de Diretor de Logística do Ministério da Saúde, onde ordenava despesas de julho de 2021 a dezembro de 2022.

A operação investiga crimes de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado, associação criminosa, incitação ao crime, destruição e deterioração ou inutilização de bem especialmente protegido. E a PF estima que os valores dos danos causados ao patrimônio público no 8 de Janeiro alcancem R$ 40 milhões.

O Diário do Poder não conseguiu contato com o general Ridauto Lúcio, mas fica à disposição para publicar um eventual posicionamento.

Reportar Erro