Foi um vexame

Lula retira de Israel embaixador que levou bronca por fala sobre holocausto

Representante brasileiro em Tel Aviv, Frederico Meyer foi removido para Genebra

acessibilidade:
Chanceler israelense Israel Katz, durante reprimenda ao Brasil diante de Frederico Meyer - Foto: redes sociais

O embaixador brasileiro em Tel Aviv, Frederico Meyer, foi removido oficialmente de Israel para Genebra, nesta quarta-feira (29), três meses após ser submetido à vexatória reprimenda pública do governo de Benjamin Netanyahu ao presidente  Lula (PT) e ao Brasil, após o petista ter comparado a guerra dos israelenses contra terroristas do Hamas, na Faixa de Gaza, com o Holocausto nazista de Adolf Hitler, na 2ª Guerra Mundial.

Meyer voltou a Israel na sexta-feira (24), após quase três meses fora de Israel, de onde foi retirado após receber a advertência do ministro israelense de Relações Exteriores, Israel Katz, em pleno Museu do Holocausto. Na ocasião, Lula foi declarado, em hebraico, persona non grata em território israelense, por causa de sua declaração considerada antissemita contra o Estado de Israel.

O embaixador que recebeu uma aula sobre o que foi o Holocausto nazista de Adolf Hitler, na 2ª Guerra Mundial, terá como nova atribuição a missão permanente com o nome Conferência do Desarmamento, em Genebra, que sedia a Organização das Nações Unidas (ONU).

Reportar Erro