Indiciamento ignorado

Lula minimiza cerco da PF e adia queda de ministro suspeito de crimes

Presidente disse que indiciamento de Juscelino Filho por corrupção não tira seu de provar que é inocente

acessibilidade:
Lula resiste e não demite ministro Juscelino Filho, após indiciamento por corrupção (Foto: Ricardo Stuckert/PR)

O presidente Lula (PT) minimizou, nesta quinta (13), em Genebra, a decisão da Polícia Federal de indiciar o ministro das Comunicações Juscelino Filho por supostos crimes em esquema de corrupção. O petista adiou sua decisão sobre a exonerar ou não o acusado desviar emendas parlamentares para seus redutos eleitorais, com o argumento de que o ministro indicado pelo União Brasil será ouvido por ele ainda hoje, porque “tem o direito de provar que é inocente”.

Lula ignora o cerco da PF, um dia depois de a corporação expor ao Supremo Tribunal Federal (STF) indícios de que Juscelino Filho teria atuado em desvios de emendas parlamentares através da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). A suspeita é de que o ministro de Lula tenha cometido os crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

“Eu acho que o fato do cara ser indiciado não significa que o cara cometeu um erro. Significa que alguém está acusando, e que a acusação foi aceita. Agora, eu preciso que as pessoas provem que são inocentes e ele tem o direito de provar que é inocente. Eu não conversei com ele ainda, eu vou conversar hoje [quinta-feira, 13] e vou tomar uma decisão sobre esse assunto”, disse Lula, ao ser abordado na Suíça.

O caso será relatado, no STF, pelo ministro Flávio Dino, que foi colega de Juscelino Filho no governo petista, ao comandar a pasta da Justiça e da Segurança Pública, á qual a PF era subordinada. Mas ainda passará pelo crivo da Procuradoria-Geral da República (PGR), que deve decidir se denuncia ou não o ministro de Lula, com a possibilidade de arquivar o inquérito ou pedir novas diligências para a PF aprofundar investigações.

Acusações e crença na inocência

Pressionado pela oposição para perder seu cargo, Juscelino é deputado federal licenciado e foi acusado, entre outras irregularidades, de destinar recursos de emenda parlamentar para uma estrada que tem 80% de sua extensão beneficiando exclusivamente suas fazendas, no município de Vitorino Freire (MA). A cidade é comandada por sua irmã, a prefeita Luanna Rezende, também investigada.

Juscelino divulgou nota, ontem, em que atribui o cerco da PF a uma ação “política e previsível” e afirma ser inocente.

“É importante lembrar que o indiciamento não implica em culpa. A Justiça é a única instância competente para julgar, e confio plenamente na imparcialidade do Poder Judiciário. Minha inocência será comprovada ao final desse processo, e espero que o amplo direito de defesa e a presunção de inocência sejam respeitados”, disse Juscelino Filho.

Veja a defesa do ministro: