'Narrativas divertidas'

Arthur Lira nega ter criado blocão para chantagear governo de Lula

Presidente da Câmara diz que bloco com 173 parlamentares de nove partidos não é de oposição a governo petista

acessibilidade:
Arthur Lira presidirá a Câmara até 2024. Foto: Pablo Valadares/Câmara
Arthur Lira presidirá a Câmara até 2024. Foto: Pablo Valadares/Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), negou nesta quinta-feira (13) ter articulado uma ampla frente de oposição ao presidente Lula (PT), ao criar um blocão com 173 parlamentares de nove partidos. Ao atribuir a articulação a arranjos para garantir aos partidos espaços internos, o deputado disse se divertir com narrativas, ao afastar a suposta estratégia de chantagear o governo petista demonstrando força política.

“Eu me divirto com as narrativas. O bloco formado ontem não é de oposição ao governo, não é para fazer chantagem contra o governo, e essas versões criadas e muitas vezes debatidas não ajudam neste momento”, afirmou o presidente, em entrevista à GloboNews.

O novo bloco articulado por Lira é formado pelos partidos União Brasil, PP, Federação PSDB-Cidadania, PDT, PSB, Avante, Solidariedade e Patriota. E supera outro bloco de 142 deputados, formado por MDB, PSD, Republicanos, Podemos e PSC, na Câmara dos Deputados.

Lira ressaltou que o governo de Lula não lida com nenhuma dificuldade criada pela Câmara, cujos líderes apoiam a governabilidade. Ele cita como exemplo um acordo para um grupo de medidas provisórias (MPs) ser analisado em comissões mistas, até agosto. E lembra que foi assegurado que outras MPs terão de ser reenviadas na forma de projetos com urgência constitucional, enquanto o Congresso resolve o impasse político sobre o rito legislativo ideal para medidas provisórias.

Lira pondera, entretanto, sobre a necessidade de mais debates a respeito de divergências em torno de temas como o marco legal do saneamento, recém-alterado por decreto presidencial; bem como benefícios fiscais a alguns setores, que o governo de Lula chama de “jabutis tributários”.

Reportar Erro