Reconhecimento

Câmara eterniza Amalia Barros ao dar seu nome a prêmio de inclusão

Deputada que faleceu no último sábado lutou pelas pessoas com visão monocular

acessibilidade:
Amália Barros (PL - MT) (Foto: Agência Câmara)

O legado da luta travada pela deputada federal Amália Barros (PL-MT) pelas pessoas com visão monocular foi eternizada pela Câmara dos Deputados, com a decisão de rebatizar o Prêmio Brasil Mais Inclusão com o nome da parlamentar que faleceu no último domingo (12). A premiação é o reconhecimento da Casa a empresas e pessoas físicas que se destacam na área de inclusão de pessoas com deficiência. E passará a se chamar Prêmio Deputada Amália Barros, após aprovação da Resolução 10/24, nessa quarta-feira (15).

O projeto  de iniciativa do deputado Abilio Brunini (PL-MT) e relatado pela deputada Gisela Simona (União-MT) teve o apoio do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

“A vitoriosa presença da deputada Amélia nesta Casa sempre será lembrada pelo seu exemplo de dedicação e de trabalho incansável pela causa da inclusão, do respeito e da atenção para com as pessoas com deficiência. Sua vida, sua atuação e seu legado sempre serão lembrados e são referências de uma atuação cidadã em favor de parcela da população que tanto precisa de legislações garantidoras de seus direitos”, disse Lira.

Deputados tapam um olho lembrando a luta de Amália pelas pessoas com visão monocular (Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados)

A mudança preserva as regras da premiação, entregue sempre no mês de setembro, quando se comemora o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, ou na semana de dezembro em que se comemora o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência. E pode ser concedido a entes federados.

“Ela será a referência para homenagear as pessoas com deficiência. E ela lutou por ser reconhecida como pessoa com deficiência”, destacou Abílio Brunini.

Amália Barros transformou um drama pessoal em luta política. Aos 20 anos, ela perdeu a visão de um dos olhos, que depois precisou ser retirado e substituído por uma prótese. Em decorrência dessa condição, ela criou um instituto e lutava pelos direitos das pessoas com visão monocular.

O Instituto Nacional da Pessoa com Visão Monocular trabalha para fazer campanhas de arrecadação de recursos e doações de próteses oculares e lentes esclerais. No final de 2021, Amália lançou o livro Se Enxerga!: Transforme Desafios em Grandes Oportunidades para Você e Outras Pessoas. No livro, a deputada conta sua história.

Em 2021, ela lutou pela aprovação da que ficou conhecida como Lei Amália Barros, que conferiu às pessoas com visão monocular os mesmos direitos de quem tem outras deficiências.

 

Reportar Erro