'Direito de pergunta'

Candidato insiste que Renans foram omissos na tragédia da Braskem

Davi Davino Filho disputa o Senado e foi punido com direito de resposta de Renan Filho. Reagiu com 'direito de pergunta' sobre ações contra Braskem

acessibilidade:
Davi Davino Filho acusa Renan Filho de não reagir contra a Braskem pela destruição de cinco bairros de Maceió. Foto: Reprodução/YouTube

O deputado estadual e candidato a senador Davi Davino Filho (PP) resolveu reagir com um “direito de pergunta”, contra um direito de resposta determinado pela Justiça Eleitoral de Alagoas a pedido do ex-governador Renan Filho (MDB), que tenta juntar-se ao seu pai no Senado. Após perder espaço no guia eleitoral e ser chamado de “mentiroso” pela campanha de Renan Filho, o candidato Davi utilizou o tempo restante de seu guia eleitoral desta segunda-feira (26) para questionar os motivos de o então governador não ter se unido ao pai e senador Renan Calheiros (MDB-AL) para “colocar a Braskem no banco dos réus”, diante da tragédia da mineração de sal-gema que destruiu cinco bairros onde viviam cerca de 60 mil alagoanos, em Maceió.

“Por que o pai, que era senador, e o filho que era governador e o pai que era senador não colocaram a Braskem no banco dos réus? Por que os Calheiros não se posicionaram vigorosamente a respeito desse caso? Porque o governador não ficou indignado com o que aconteceu? Por que o senador, que tanto tuíta, não ficou revoltado com a Braskem?”, questiona Davi Davino Filho.

O candidato do Progressistas, apoiado pelo presidente da Câmara dos Deputados Arthur Lira (PP-AL), veiculou depoimentos de vítimas da extração de sal-gema pela Braskem, que afundou o solo, causou terremotos e forçou milhares de maceioenses a deixarem seus lares, protegendo suas vidas das rachaduras no solo e das ameaças de desabamento de suas moradas.

Davi finaliza seu programa firmando o compromisso de, se eleito senador, propor imediatamente a abertura da CPI da Braskem. “A verdade e a Justiça têm que prevalecer”, diz o candidato a senador Davi Davino Filho, encerrando seu guia com imagem da reportagem do Diário do Poder, publicada em 14 de maio de 2019, Renan Filho defende a Braskem prometendo mais do que a ciência pode garantir.

Outro lado

A campanha de Renan Filho afirmou no direito de resposta que Davi Davino Filho foi alvo de sete punições “por mentir e pelo mau uso do horário político eleitoral”. E disse que o governo de Renan Filho acionou a justiça para impedir a venda da Braskem para garantir o ressarcimento integral às vítimas da empresa.

A Braskem desenvolve desde 2019 um programa para apoiar a realocação das vítimas e já pagou R$ 2,8 bilhões em indenizações e auxílios financeiros a milhares de maceioenses atingidos nos bairros do Pinheiro, Bom Parto, Bebedouro, Mutange e Farol.

A Braskem ainda trata como “fenômeno geológico” o desastre que segundo o Serviço Geológico Brasileiro foi causado pela mineração de sal-gema pela Braskem, ao longo de décadas, em área urbana e inadequada, com falha geológica adormecida. E a petroquímica passou a atuar com o programa em favor das vítimas, após ações judiciais dos Ministérios Públicos Federal e Estadual e das Defensorias Públicas de Alagoas e da União resultarem em acordo celebrado com órgãos de controle e homologado pela Justiça.

Veja o direito de resposta de Renan Filho e o “direito de pergunta” veiculados hoje (26) no programa eleitoral de Davi Davino Filho: