PL contra MP 1.227

Bolsonaro: ‘a sociedade não aguenta novos aumentos de tributos’

Ex-presidente crítica rival por MP de Lula tratada pela CNI como ataque à competitividade do setor produtivo

acessibilidade:
Ex-presidente da República Jair Bolsonaro (Foto: Agência Brasil).

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) uniu-se à reação do setor produtivo e de seu partido contra iniciativas do presidente Lula (PT) para aumentar impostos no Brasil. E criticou seu rival petista por limitar o uso de créditos tributários do PIS/Cofins para abatimento de outros tributos, via Medida Provisória 1.227. Nas suas redes sociais, Bolsonaro exaltou suas ações, anunciou a posição do PL de votar contra a MP e afirmou que a sociedade não aguenta novos aumentos de tributos.

O ex-presidente ressaltou a postura de seu partido sobre ajuste fiscal não ser feito com aumento de impostos. E ampliou o coro de descontentamento da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), que tratou a MP de Lula como um ataque à competitividade do setor produtivo do Brasil.

“A sociedade não aguenta novos aumentos de tributos, contudo é exatamente isso que a Medida Provisória 1227/2024 faz ao restringir a compensação tributária do PIS e da Cofins, ferindo quase de morte o Agronegócio, entre outros setores”, afirmou Bolsonaro.

O ex-chefe do Palácio do Planalto destacou que seu governo facilitou a vida dos consumidores, promovendo a redução ou isenção de impostos para milhares de produtos, citando alimentos da cesta básica, medicamentos e combustíveis.

“Com essas medidas tivemos deflação por 3 meses em 2022 e, mesmo assim, passamos a arrecadar mais, mês a mês”, disse o ex-presidente.

Reportar Erro