Mais Lidas

Governo do DF

Boletim de Ética e Integridade da CGDF é lançado no I Encontro de Corregedorias do DF

Ao todo foral expulsos do Governo do Distrito Federal 131 servidores

acessibilidade:
O boletim traz as principais irregularidades cometidas pelos servidores Foto: CGDF

O controlador-geral do Distrito Federal, Aldemario Araújo Castro, lançou nesta quinta-feira (12), a primeira edição do Boletim de Ética e Integridade da Controladoria-Geral do DF (CGDF), na abertura do I Encontro de Corregedorias do DF.

O documento específica o número e os motivos pelo quais os servidores foram expulsos do Governo do Distrito Federal (GDF) e traz também orientações gerais para prevenir ilicitudes. O principal objetivo da CGDF é ressaltar que os servidores públicos devem sempre seguir os princípios da legalidade, impessoalidade e moralidade administrativa.

O Governo do Distrito Federal (GDF) demitiu 131 servidores públicos que cometeram graves infrações, como assédio sexual, atestados médicos falsos, abandono de cargos, acumulação de cargo e servidores empresários.

Atendendo a determinação do governador Ibaneis Rocha, a Controladoria Geral do Distrito Federal (CGDF) julgou os 142 Processos Administrativos Disciplinares (PADs). Em março, Ibaneis por meio do Decreto nº 39.701 determinou que os casos que se encontravam na Consultoria Jurídica do Gabinete fossem encaminhados para julgamento pelo controlador-geral do DF, Aldemario Araújo Castro.

O controlador ressalta que o montante de 142 casos julgados foi o resultado do acúmulo e descaso das gestões anteriores, tendo em vista que estavam parados há anos. “Existem casos extremamente delicados, como vários casos de abuso sexual de professores de escolas públicas do DF. Um processo desse parado 2, 3, 4 anos, gera uma sensação de impunidade horrorosa. Mas esses processos foram todos julgados, o que explica no Boletim de Ética e Integridade essa quantidade de demissões feitas neste ano. Muito provavelmente as estatísticas vão dizer no futuro que o sujeito que assumiu a Controladoria-Geral estava com muita tinta na caneta para produzir esse número, mas isso decorre do fato de que os julgamentos não foram feitos nos momentos próprios”.