Mais Lidas

Três anos nesta segunda

Apuração do governo de MG sobre tragédia de Mariana segue sem conclusão

Rompimento da barragem da Samarco na cidade mineira completa três anos nesta segunda

acessibilidade:

A maior tragédia ambiental do Brasil completa três anos nesta segunda (5). No dia 5 de novembro de 2015, a barragem da Samarco na cidade mineira de Mariana rompia, deixando 19 pessoas mortas e um rastro de destruição que chegou ao litoral do Espírito Santo.

Até hoje, o processo criminal se arrasta sem decisão, assim como a investigação interna do governo de Minas Gerais sobre eventuais responsabilidade de funcionários públicos, que revalidaram a licença de operação do complexo de barragem da empresa. Há indícios de que essa renovação foi aprovada sem as exigências necessárias a serem cumpridas pela mineradora, cuja as donas são a Vale e a BHP Billiton. A investigação está sob sigilo.

Outra sindicância aberta pelo governo mineira apurava o problema na fiscalização da barragem, que foi arquivada apesar de apontar indícios de “comportamento omissivo” por parte dos responsáveis pelo setor. A corregedoria afirma que fiscais e agentes de uma fundação ligada à Secretaria de Meio Ambiente do estado provavelmente sabiam que havia pendências da Samarco em relação à segurança das suas estruturas, mas não cobraram providências.

O órgão pediu que fossem abertos processos administrativos disciplinares contra três pessoas. No entanto, após a união de pareceres da Advocacia-Geral do Estado, o governo mineiro chegou à conclusão de que a responsabilidade pela fiscalização é do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), um órgão federal. A sindicância foi arquivada com a justificativa de que “não se afigura possível estabelecer relação direta de causa e efeito entre a possível ação (omissa) da Fundação [Feam] e o rompimento da barragem”.

Os procedimentos foram motivados por questionamentos de Ministérios Públicos sobre falhas das autoridades em dar licença e fiscalizar o reservatório. Antes da tragédia, a obra irregular que provou a ruptura da barragem havia sido vistoriada três vezes. (Com informações da FolhaPress)