Mais Lidas

Mobilidade

Após acidentes, órgãos do DF divulgam orientações para uso de patinetes

acessibilidade:
Patinete elétrico vira mania entre os brasilienses. Foto: Grin/Reprodução

A mobilidade na capital federal ganhou um reforço nos últimos meses com a chegada de patinetes elétricos. No Distrito Federal, o serviço é oferecido por dois aplicativos: Yellow e Grin — ambos presentes em outras cidades brasileiras, como Rio de Janeiro e São Paulo.

No entanto, o crescente número de acidentes ligados ao uso do meio de transporte vinha causando preocupação a alguns usuários e pedestres que têm que dividir a calçada com os patinetes.

Por não haver uma regulamentação específica para o equipamento e para evitar as ocorrências, o Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) se uniu ao Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF) e a Polícia Militar do DF (PMDF) para elaborar orientações à população.

De acordo com os órgãos, é proibido que os patinetes elétricos circulem nas rodovias pelo risco do compartilhamento de espaço com automóveis. Para atravessar uma via pública, o usuário do patinete deve procurar passarelas, passagens subterrâneas ou faixas de pedestres — nesse caso, é necessário descer do equipamento para atravessar a rua.

A velocidade máxima permitida para os patinetes em calçadas, passarelas, quadras, praças, passagens subterrâneas ou outras áreas de circulação de pedestre é de 06 km/h. Já na ciclofaixa ou outras vias com pista própria destinada a ciclos, a velocidade máxima é de 20 km/h.

“Antes de usar o patinete pela primeira vez, é importante manter baixa velocidade e evitar locais com muita circulação de pessoas, bicicleta ou outros patinetes”, orientam o Detran, DER e PM. Equipamentos de proteção, mesmo não sendo obrigatórios, são aconselhados pelos órgãos.

Na hora de estacionar o patinete, o usuário não deve usar as calçadas, ciclovias ou ciclofaixas, para não obstruir a passagem. Quem consumir bebidas alcoólicas não deve usar o meio de transporte, já que — por ser necessário o equilíbrio no equipamento — o risco de acidentes aumenta consideravelmente.

Menores de idade que quiserem usar o patinete elétrico devem ser supervisionados por um adulto. Os pais serão responsabilizados em caso de acidente envolvendo menores. Os órgãos apontam ainda para a necessidade do uso de calçados fechados “que se firmem aos pés garantem mais segurança e menor risco de lesões”.

Orientações dos aplicativos

A Yellow, em seu site e no aplicativo, dá as seguintes orientações aos seus usuários:

– Respeite as leis de trânsito e evite acidentes;
– Use o capacete para sua própria segurança;
– Ande até 6km/h em calçadas e 20km/h em ciclovias e ciclofaixas;
– Se for andar à noite, acenda os faróis.

Já nos termos de uso, o app afirma que os usuários devem ser maiores de 18 anos, não devendo emprestar o equipamento a terceiros. Além disso, a empresa aponta que o usuário não deve andar de patinete enquanto usa um equipamento eletrônico, incluindo fone de ouvido; sob o efeito de álcool ou drogas; para realizar corridas, saltos ou manobras arriscadas. De acordo com o app, o usuário não deve dar carona a outras pessoas com o patinete.

No Grin a idade mínima do usuário também é de 18 anos e é permitido apenas um usuário por patinete. A empresa aconselha que se evite ladeiras, manobras arriscadas e celulares durante o uso.

Também é aconselhado o uso de ciclofaixas e ciclovias, onde a velocidade pode ser de 20 km/h. “Calçadas somente se precisar (6km/h)”, aponta a empresa em seu site. As dicas de segurança do app incluem ainda: “sempre mantenha os dois pés na prancha enquanto estiver em movimento” e “sempre mantenha as duas mãos no guidão”.