Mais Lidas

Queda no FPM

Prefeitura cancela Maceió Verão e quer economizar R$ 3 milhões mensais, em 2019

Cortes atingirão até 30% do custeio de secretarias e até mesmo horas extras

acessibilidade:
Foto: Pei Fon/ Secom Maceió/Arquivo

A Prefeitura de Maceió anunciou na manhã de hoje (19) o cancelamento do festival Maceió Verão previsto para janeiro e fevereiro de 2019, dentro do propósito de reforçar medidas de contenção de gastos com a máquina pública para o próximo ano. A decisão do prefeito Rui Palmeira (PSDB) foi justificada pela queda de R$ 65 milhões nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e o aumento das despesas com a folha salarial. Por isso, a administração tucana anunciou a meta de economizar R$ 3 milhões por mês, no próximo ano, para garantir a manutenção do equilíbrio econômico financeiro no Município.

A previsão é de reduzir gastos entre 10% e 30% do custeio das secretarias, em itens como energia elétrica, combustível, emissão de passagens e diárias, veículos e telefonia, como explica o secretário Municipal de Gestão, Reinaldo Braga. Os cortes também atingirão despesas variáveis na folha de pagamento, como horas extras também devem passar por cortes.

A suspensão das despesas com apresentações artísticas gratuitas do festival Maceió Verão foi justificada como necessária, apesar do modelo de parceria com a iniciativa privada, que desonerou mais de dois terços dos custos da Prefeitura de Maceió na edição de 2018. Uma economia de cerca de R$ 2 milhões, pagando R$ 920 mil, dos R$ 3 milhões do custo total do evento com artistas como Cidade Negra, Cláudia Leitte, Léo Santana e Zezé di Camargo e Luciano.

A administração tucana justificou a prioridade de concentrar investimentos nas áreas prioritárias.

Folha preservada

Em publicação no site da Prefeitura de Maceió, o secretário de Economia Fellipe Mamede alerta que, apesar de reduzir sucessivamente o custeio neste ano e tomar medidas para aumentar a arrecadação própria, a prefeitura precisa enxugar ainda mais as despesas, sob o risco de não conseguir manter o pagamento da folha dos servidores em dia.

“O pagamento em dia do funcionalismo é nossa prioridade e em função disso é necessário apertar ainda mais o cinto para que possamos manter esse equilíbrio financeiro e manter os investimentos fundamentais de que a cidade precisa, que é a missão da Prefeitura”, justificou Mamede.

A folha da Prefeitura de Maceió atingiu o valor mensal de cerca de R$ 100 milhões, com servidores ativos, aposentados e pensionistas, após reposição de 3%.