Mais Lidas

Gambito da Rainha

Operação prende acusados de dano de mais de R$ 30 milhões ao fisco de Alagoas

Alvos são empresários e contadores ligados a conglomerado da empresária Eliane do Globo

acessibilidade:
Operação Gambito da Rainha devassou conglomerado da empresária Eliane do Globo em União dos Palmares (AL). Fotos: MPAL e Redes Sociais

O Ministério Público Estadual de Alagoas (MPAL) deflagrou na manhã desta quarta-feira (2) a Operação Gambito da Rainha, para prender oito acusados de uma série de crimes, dentre eles, fraude societária e lavagem de bens do conglomerado da empresária Eliane Torres, a “Eliane do Globo”, que funciona em União dos Palmares (AL). O dano aos cofres públicos ultrapassa os R$ 30 milhões, em números que seguem em apuração na Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz).

A operação do Grupo de Atuação Especial em Sonegação Fiscal e Lavagem de Bens (Gaesf) investiga empresários, laranjas, contadores, além de dois auditores fiscais que foram afastados do cargo. No alvo estão pessoas físicas e jurídicas ligadas, direta ou indiretamente, ao conglomerado, além a própria empresária e de sua filha Karoline Omena.

Dos oito mandados de prisão contra alvos que não tiveram nomes revelados, três são de prisões preventivas e cinco temporárias, segundo a assessoria do MP/AL. Sete prisões já foram cumpridas, além de 30 mandados de busca e apreensão, em Alagoas e Pernambuco, expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital, que Combate ao Crime Organizado.

Os investigados são acusados de envolvimento nos crimes de organização criminosa, falsidade ideológica, fraudes societárias, falsificação de documentos públicos e privados, lavagem de bens e corrupção de agentes públicos.

Foi também decretado, judicialmente, o bloqueio de bens imóveis e móveis dos acusados. A organização criminosa, que operava somente em Alagoas, era integrada por empresários, “testas-de-ferro”, “laranjas”, contadores e auditores-fiscais.

‘Peões’ na linha de frente

O nome da operação é uma alusão a abertura que o enxadrista faz com o propósito de sacrificar o peão da rainha para obter vantagem e ganhar o jogo, no xadrez.

A operação foi comandada pelos promotores de Justiça Cyro Blatter – coordenador do Gaesf, Marília Cerqueira e Anderson Cláudio de Almeida e por integrantes da Secretaria de Estado da Fazenda, Procuradoria-Geral do Estado, Polícia Civil e Polícia Militar de Alagoas. Todas essas instituições compõem o corpo técnico do Gaesf.

Pela PM, participam os 1o, 3o, 4o e 5o Batalhões, Radiopatrulha, Bope, BPTran e Batalhão de Polícia Escolar. Já pela Polícia Civil, a Asfixia, Oplit, Tigre e 2a seção, além de membros da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP) e da Delegacia-Geral.

E para a operação desta quarta-feira (2), também compuseram as equipes que cumpriam as diligências a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Instituto de Criminalística (IC) e a Secretaria de Estado de Ressocialização e Inclusão Social (Seris).

O Diário do Poder fez contato com uma das empresas de Eliane do Globo, o Globo Center, mas não conseguiu ser atendido para obter o posicionamento do conglomerado e da empresária.

Reportar Erro