Mais Lidas

Falência em Alagoas

Justiça vai leiloar R$ 819 milhões em bens de usina que faria arrendamento histórico

Empresas desistiram de arrendar usina falida pelo ex-deputado João Lyra

acessibilidade:
Usina Guaxuma em Alagoas. Foto: Divulgação

Os juízes responsáveis pelo processo de falência da Laginha Agro Industrial designaram datas para o leilão de 65 imóveis rurais e diversos equipamentos da Usina Guaxuma, pertencente à massa falida da empresa. Juntas, as terras valem mais de R$ 667 milhões, segundo a avaliação da Justiça; e os equipamentos, quase R$ 152 milhões. A primeira praça será realizada em 16 de outubro, a partir das 14h, e a segunda em 30 de outubro, no mesmo horário. O processo falimentar do conglomerado dura cerca de dez anos.

A usina seria o maior caso de arrendamento da história do agronegócio brasileiro, com capacidade de esmagar 10 mil toneladas de cana, por dia, e moer quase 2 milhões de toneladas, por safra. E a Justiça autorizou em abril  seu arrendamento pela Usina Coruripe e pela Impacto Energia por um período de 11 anos. Mas o arrendamento não se concretizou, segundo os juízes, porque as empresas teriam desistido antes de concluir o processo, que se arrastou por mais de dois anos, com trocas sucessivas de magistrados e administradores judiciais, na condução da falência.

A Guaxuma é uma das usinas alagoanas da Massa Falida da Laginha Agroindustrial LTDA, conglomerado que produziu uma dívida de cerca de R$ 2 bilhões com 40 mil credores e trabalhadores de Alagoas e Minas Gerais; herdada da época em que foi administrada pelo ex-deputado federal João Lyra (PTB-AL), sócio majoritário do grupo.

A maior parte dos imóveis da Guaxuma está localizada em Coruripe, mas há terras também em Campo Alegre, Teotônio Vilela e Junqueiro, todos municípios alagoanos. Os terrenos somam 17 mil hectares. Serão vendidos equipamentos como balança rodoviária, ponte rolante, caldeira de alta pressão, distribuidor de bagaço, secador de açúcar, silo metálico, destilaria, gerador e compressor de ar.

No pregão do dia 16, o valor mínimo para a venda é o da avaliação judicial. No segundo, dia 30, o lance inicial corresponderá a 50% do que foi avaliado. Ambos no auditório da empresa Superbid, na Av. Eng. Luis Carlos Berrini, nº 105 – 4º andar, Vila Olímpia, São Paulo (SP).

Os lances poderão ser ofertados no local ou pela internet, por meio do portal  www.superbidjudicial.com.br, onde estará disponível, a partir da próxima semana, a lista de itens, com suas descrições. Os interessados em visitar os imóveis devem agendar pelo e-mail visitacao@superbidjudicial.com.br.

O edital do leilão foi assinado pelos juízes José Eduardo Nobre, Leandro Folly, Marcella Pontes e Phillippe Alcântara, atuando pela 1ª Vara da Comarca de Coruripe. O leilão será conduzido pelo leiloeiro oficial Renato Schlobach Moysés. E o processo falimentar tramita sob o nº 0000707-30.2008.8.02.0042.

Confira o edital publicado quinta-feira (13) no Diário da Justiça Eletrônico, clicando aqui. (Com informações da Dicom TJAL)