Hospitais atônitos

Dipirona pula de R$0,80 para R$4,80, com estardalhaço sobre ômicron

Exageros do noticiário servem de propaganda para a indústria

acessibilidade:
Edgar Antunes, diretor-presidente do Hospital Veredas, o maior de Alagoas.

O estardalhaço com os casos de Influenza (H3N2) no País tem deixado a indústria farmacêutica feliz como pinto no lixo.

A H3N2 junta ou sobreposta ao aumento de casos da Covid-19 já fez a Dipirona injetável pular de R$0,80 para R$4,80. E pode não parar por aí.

O estardalhaço provoca aumento de faturamento dos laboratórios mais do que é possível obter com propaganda formal. Esta semana, alguns hospitais conseguiram comprar ainda a R$2,80 a droga essencial ao tratamento. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

A Dipirona é um fármaco básico para o enfrentamento dos sintomas de muitas enfermidades, nos hospitais.

“O vírus chega e os preços dos medicamentos aumentam sem qualquer justificativa”, denuncia o médico Edgar Antunes Neto.

Presidente do Hospital Veredas, o maior de Alagoas, Edgar Antunes Neto convive com os efeitos do oportunismo perverso da indústria.

Reportar Erro