Mais Lidas

Intervenção apoiada

Bruno Araújo atesta destituição de deputada do comando do PSDB de Maceió, por senador

Presidente nacional do PSDB aprova decisão do senador Rodrigo Cunha de apear Tereza Nelma

acessibilidade:
Presidente Nacional do PSDB Bruno Araújo. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

As acusações de autoritarismo e machismo direcionadas ao senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL) pela sua decisão de destituir a deputada federal Tereza Nelma da presidência do diretório tucano da capital alagoana não foram acolhidas pela cúpula nacional do partido. O presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, literalmente assinou embaixo das medidas do senador que preside o partido em Alagoas, ao oficializar ontem (8) apoio à posição de Rodrigo Cunha.

A destituição de Tereza Nelma foi definida em meio a uma guerra interna entre a deputada e o senador pela indicação do vice da candidatura a prefeito de Maceió na chapa encabeçada pelo deputado federal João Henrique Caldas, o “JHC” (PSB-AL). Mas a vaga de vice de JHC deve ficar com o ex-governador Ronaldo Lessa (PDT-AL).

Através de ofício encaminhado ao senador e à assessora parlamentar de seu gabinete Karolina Azevedo, nomeada nova presidente do PSDB em Maceió, em comissão provisória, Bruno Araújo aprovou a medida drástica de dissolver o diretório tucano, com base em “vícios insanáveis” cometidos sob o comando de Tereza Nelma.

No documento, o presidente nacional do PSDB concorda com a “análise da conjuntura política no município e situação das potenciais alianças com outros partidos e candidatos às eleições majoritária no município de Maceió”. E atesta que as medidas do senador Rodrigo Cunha sobre a posição partidária em Maceió cumpre exigências do Artigo 2º,  da Resolução da Comissão Executiva Nacional do PSDB (CEN-PSDB 05/2020), publicada em 02 de abril.

“A manifestação do presidente nacional do PSDB, Bruno Araujo, demonstra que a atuação do diretório estadual do partido em Alagoas seguiu à risca o estatuto e todo o regramento partidário. Não houve portanto qualquer viés autoritário ou persecutório por parte do diretório estadual de Alagoas, que apenas fez cumprir os preceitos internos para manutenção e observância da democracia partidária”, disse o senador Rodrigo Cunha, ao Diário do Poder.

Deputada Tereza Nelma e o senador Rodrigo Cunha formam a bancada do PSDB de Alagoas no Congresso. Foto: Victor Freitas

Candidatura própria ou aliança

Bruno Araújo cita o Artigo 2º, inciso II e §1º e §2 da Resolução CEN-PSDB 05/2020, como critérios cumpridos pelo senador Rodrigo Cunha, ao destituir Tereza Nelma. Em suma, ele aprova a constituição da comissão provisória de Maceió, atestando a regularidade de todas as filiações e a total legalidade dos atos partidários praticados. Bem como aprova a possibilidade do PSDB lançar candidatura própria, bem como seguir o caminho de formalizar alianças com outros partidos para a majoritária.

Veja o que diz a resolução, com base na qual o prefeito Rui Palmeira deixou o PSDB no primeiro semestre, quando defendia uma candidatura própria, enquanto o senador Rodrigo Cunha defendia a aliança com JHC.

Art. 2º. A composição de chapa às eleições majoritárias e nos municípios, seja com candidatura exclusiva de filiados, ou em celebração de coligações, ficam submetidas a aprovação da Comissão Executiva Nacional, da Comissão Executiva Estadual ou da Comissão Provisória Estadual correspondente, sendo que o seu anúncio e formalização depende da respectiva anuência, observado os seguintes critérios:

[…] II – O lançamento de candidatos à prefeito e/ou celebração de coligação, nos 5 (cinco) municípios de maior eleitorado de cada estado e naqueles com mais de 100.000 (cem mil) eleitores, bem como nos que tenham geração de programa de televisão será, obrigatoriamente, precedido de autorização da Comissão Executiva Nacional e/ou de seu Presidente Nacional ad referendum.

§ 1º. O presidente da Comissão Executiva Municipal correspondente fica obrigado a manter, desde logo, a Comissão Executiva Nacional informada das iniciativas que objetivem o disposto no inciso II deste artigo.

§ 2º. A Comissão Executiva Nacional atuará, em sintonia com as direções estaduais, na escolha de pré-candidatos, bem como na homologação das candidaturas e celebração de coligação, consideradas as diretrizes nacionais estabelecidas.

Disputa interna e vícios

O senador pretendia indicar para vice de JHC o nome de Herman Braga, diretor do bloco pré-carnavalesco Pinto da Madrugada. Nelma queria uma mulher tucana, que seria sua filha, Teca, mas passou a ser Adriana Toledo. Foi neste contexto que o senador tucano constituiu Comissão Provisória Municipal do PSDB em Maceió, evocando princípios de autonomia e transparência dos atos partidários.

A reportagem fez contato com a deputada Tereza Nelma, e ela afirmou não ter recebido, até a noite dessa quarta, nenhum comunicado do presidente Nacional do PSDB.

“Duvido que ele tenha feito julgamento sem ouvir a Comissão Executiva Nacional, da qual faço parte. Além disso, o Estatuto disciplina casos complexos como esse. Se ele se baseou no parecer do inexistente Departamento Jurídico da Executiva Estadual, está muito mal informado. A quase totalidade do que afirma o documento assinado pelo senador Rodrigo Cunha é falso. A notícia que li – e que a Direção Estadual está colocando nas redes sociais – é tortuosa, afirma e nega. Assim, vou esperar o contato direto que farei com o presidente do PSDB. Tenho certeza que ele não negará o direito constitucional à defesa. O que foi negado aqui [em Maceió]”, disse Tereza Nelma.

Na semana passada, quando foi destituída, ela acusou em nota o senador Rodrigo Cunha de valer-se do machismo e do autoritarismo, para promover sua destituição motivada pela disputa pela indicação do vice de JHC. Leia mais aqui.