Mais Lidas

Réu na Drácon

Advogado de Bispo Renato deve recorrer ao STJ

TJDFT decidiu nesta terça tornar cinco deputados em réus

acessibilidade:

Após a decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal em tornar os cinco principais alvos da Operação Drácon no Distrito Federal em réus, os deputados distritais se manifestaram.

O advogado do Bispo Renato (PR), Ticiano Figueiredo, concedeu entrevista e disse que vai avaliar ir ao Superior Tribunal de Justiça. "Não tem qualquer prova da participação do deputado Bispo Renato em qualquer ato ilícito. Todos bateram muito no suposto encontro que teria ocorrido em restaurante, a gente juntou a prova inequívoco, então basta dar uma simples olhada nos aulas que os desembargadores vão checar a prova inequívoco de que o deputado não participou de qualquer encontro ilícito. Vou avaliar a possibilidade de um habeas corpus no STJ por considerar a fundamentação descompassada", comentou.

Outro réu, Crisriano Araújo (PSD) disse que respeita a decisão tomada pelo Conselho Especial do TJDFT, mas reafirma entender serem 'gritantes a falta de embasamento legal, a inépcia da denúncia, o cerceamento de defesa, a total falta de comprovação de qualquer ato ilícito e outras arbitrariedades massacrantes, como vazamentos dirigidos de dados sigilosos à imprensa, feitos pelos investigadores ao longo dos últimos meses'. "Renovo minha fé em Deus e a confiança na Justiça do meu país", resumiu.

Celina Leão (PPS), ex-presidente da Câmara Legislativa do DF, declarou que a decisão do Judiciário 'foi equivocada'. A parlamentar disse que respeita o entendimento do Conselho Especial do TJDFT, mas reafirma que o órgão acusador não conseguiu demonstrar, nos autos do processo, qualquer conduta ilícita da deputada. "As provas apresentadas pela defesa deixam clara a inocência de Celina", acredita.

Raimundo Ribeiro (PPS) foi curto: "Decisão da Justiça não se comenta". O outro deputado-réu, Júlio César (PRB), não se manifestou sobre a decisão da Justiça.

De acordo com o TJDFT, apesar de virarem réus, os deputados não são afastados dos cargos.

Reportar Erro