Mais Lidas

Seca se aproxima

Adasa aponta aumento no consumo de água e pede uso consciente no DF

Segundo a agência, nos quatro primeiros meses houve aumento de 10,1% em relação ao mesmo período de 2018

acessibilidade:
Os aparelhos fazem leitura do hidrômetro quatro vezes por dia

Com a proximidade do período de seca, a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) alerta sobre o aumento do consumo de água nos quatro primeiros meses do ano. De todas as categorias analisadas, a residencial é a que mais consome.

Na próxima segunda (17), a agência lançará uma campanha para sensibilizar a população sobre a necessidade do consumo consciente e o combate ao desperdício com o slogan “Use, reuse, economize & repita”.

Adasa ressalta que o volume de água consumido nos quatro primeiros meses de 2019 foi 10,1% maior que o registrado no mesmo período de 2018, quando vigorava o racionamento. Enquanto nos primeiros quatro meses de 2018 foram consumidos 46,3 milhões, em 2019 o volume aumentou para 51 milhões, muito próximo do que foi registrado em 2016 (52,7 milhões m³), antes da crise hídrica.

O Relatório de Monitoramento de Consumo de Água no DF constatou que o crescimento no consumo ocorreu logo após o fim do racionamento.

Embora no acumulado daquele ano o aumento do consumo de água tenha sido de apenas 0,6%, na comparação com 2017, os meses de julho a dezembro de 2018 registraram um crescimento do consumo de 3,4%, em relação ao mesmo período do ano anterior, chegando a níveis próximos de 2016, no último trimestre.  O consumo per capita, que em 2017 registrava uma queda de 11,2%, em relação a 2016, em decorrência do racionamento, permaneceu praticamente estável em 2018. Dos 134 Litros por habitante/dia em 2017 passou para 133 litros em 2018, representando uma queda de 0,9%.

Agência destaca que embora a situação hídrica no Distrito Federal esteja relativamente tranquila nos próximos meses, conforme as metas definidas para o volume útil dos reservatórios até o final do ano, a intenção é fortalecer a manutenção das boas práticas de consumo de água, adquiridas durante o período crítico da crise hídrica.