Roberto Motta

Tiago Vasconcelos

14/02/2019

Explicação necessária

Roberto Motta

Explicação necessária

Explicação necessária: o fato de uma empresa, barragem, boate, avião, helicóptero ou barco terem “alvará”, “licença”, “registro” ou seja lá qual for o nome do papel exigido pelo Estado, NÃO significa que estejam adequados para suas funções. É óbvio que o Estado não tem condições para inspecionar todos os lugares ou veículos. É óbvio que, em muitos casos, a inspeção fake é “vendida” por funcionários corruptos. Já está na hora da sociedade brasileira e da mídia entenderem que só a certeza da punição garante a segurança do cidadão. Quer abrir uma loja? Não precisa de alvará nem permissão nenhuma. Vai na internet e pega as regras de segurança. Se você não seguir as regras e houver um problema – se alguém for morto ou ferido por negligência sua – você vai passar alguns anos de sua vida na cadeia. Cadeia. Não é multa. Não é “prestação de serviços comunitários”. Não é doação de “cestas básicas”. É CADEIA. “Mas prender a pessoa só vai criar mais um criminoso, porque ela vai sair da prisão pior do que entrou”. Esse é a Lei de Marcelo Freixo. A garantia da impunidade. Graças a ela tivemos: – 55 mortos no Bateau Mouche. – 242 mortos na boate Kiss. – 19 mortos em Mariana. – 166 mortos em Brumadinho. – 47.000 mortos no trânsito todos os anos. – 63.000 pessoas assassinadas todos os anos. Não são alvarás, certificados ou fiscais que vão garantir a nossa segurança. Nossa única garantia é a certeza da punição dos responsáveis. Quem tem pena dos lobos sacrifica as ovelhas. Roberto Motta é engenheiro civil (PUC-RJ), Mestre em Gestão de Empresas (FGV-RJ); segundo suplente de deputado federal, ex-secretário do Conselho de Segurança e atualmente Assessor Especial do Governador do Estado do Rio de Janeiro.
14/02/2019

A Voz da Competência

Jorge Motta

A Voz da Competência

Poucos profissionais da comunicação, ao longo dos últimos governos, pós regime militar, desempenharam com tanta competência o papel de porta voz do Presidente da República, como o atual, general Otávio Santana do Rêgo Barros. Muito educado, calmo e de fácil convivência com os jornalistas que participam das coberturas dos boletins que ele apresenta diariamente, tem conquistado a simpatia de grande parte da imprensa não dogmática. Isso pode ser verificado nas manifestações sobre a atual internação do Presidente Bolsonaro, quando responde com clareza e transmite credibilidade nas respostas às perguntas dos jornalistas. General da ativa do Exército Brasileiro, ele constrói, com a sua competência, uma nova era na convivência com os civis, ou melhor, com a sociedade brasileira. Essa geração de militares das três forças armadas, Marinha, Exército e Aeronáutica, “convocada” a emprestar a sua sólida formação acadêmica a funções civis, mostra que a  sua participação em postos chaves no governo federal é sinal positivo na busca da meritocracia de que tanto o serviço público precisa. Os projetos em andamento, em todos os setores da administração, notadamente o da reforma da previdência e os referentes à segurança pública, que serão submetidos ao Congresso Nacional, fortalecem as esperanças de dias melhores, num futuro próximo. Para explicá-los à sociedade, ninguém melhor do que o general Otávio. Os poderes executivo, legislativo e judiciário já estão sintonizados com o recado que o povo brasileiro, democraticamente, enviou através do voto nas eleições de outubro de 2018. Nós, brasileiros queremos ORDEM E PROGRESSO, se possível, bem comunicados. Jorge Motta é jornalista.
11/02/2019

Maior desafio da reforma da Previdência é comunicação

Reforma urgente

Maior desafio da reforma da Previdência é comunicação

Governo prepara estratégia para convencer público e parlamentares

A reforma da Previdência é consensual, mas até os seus defensores mais exaltados advertem para a necessidade de o governo caprichar na “comunicação”, até para deixar os parlamentares mais confortáveis na sua defesa. Ocupar os espaços esclarecendo fatos e apontando os privilégios que precisam acabar também é muito importante na “guerra” da comunicação, segundo o líder do Partido Novo na Câmara, deputado Marcel van Hatten (RS), que tem mestrado no assunto. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. O desafio do governo é convencer a população da necessidade de reformar para que, no futuro breve, a Previdência não se inviabilize. O governo prepara campanha na TV, rádio, jornal e internet explicando que o País precisa reformar a Previdência para crescer e não quebrar. Parlamentares de esquerda costumam aproveitam os espaços do “contraditório”, na imprensa, para tentar espalhar o “terror” da reforma. Para ser aprovada, a PEC da reforma precisa de 308 votos em 513 deputados e de 49 dos 81 senadores. O governo acha que os tem.
11/02/2019

Alheio à cirurgia, governo prepara visita de Bolsonaro a Trump

Visita oficial

Alheio à cirurgia, governo prepara visita de Bolsonaro a Trump

Diplomatas continuam empenhados na construção da agenda da visita oficial

Sem orientação em contrário, diplomatas brasileiros continuam empenhados na construção da agenda da visita oficial do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos, nos dias 18, 19 e 20 de março, a convite do presidente Donald Trump. Isso indica que, apesar da apreensão causada na recuperação de Bolsonaro, o Planalto conta com o seu retorno ao trabalho no prazo estimado antes da sua nova cirurgia. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Além de encontro para fotos diante da lareira, os dois presidentes terão reunião de trabalho na Casa Branca. A visita de Bolsonaro está restrita a Washington, mas há possibilidade de evento em Nova York com empresários brasileiros e americanos. Após a visita a Washington, Bolsonaro fará um pit-stop em Brasília e segue para outra viagem: visitará Santiago nos dias 22 e 23 de março.