Ganhar sem trabalhar

Presença de Paulo Pimenta na Câmara despencou após a prisão de Lula

Aumento nas faltas deu mais tempo para bajular Lula e articular presepadas como a de domingo

Presença de Paulo Pimenta na Câmara despencou após a prisão de Lula

Deputado Paulo Pimenta e Lula, momentos antes de sua prisão em Curitiba. Foto: Divulgação/Twitter

O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) reduziu de 92% para 74,5% seu percentual de presença ao trabalho, em sessões no plenário da Câmara dos Deputados, desde 2015. O parlamentar é um dos três deputados petistas autores do habeas corpus que quase libertou o ex-presidente Lula, no plantão de domingo (8) do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Não bastasse a queda de 17,5 pontos percentuais na presença anual ao trabalho, a assiduidade do parlamentar petista caiu para 64%, nas sessões plenárias, depois que o ex-presidente Lula foi preso por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex, no âmbito da Operação Lava Jato.

Imune à ameaça de demissão que certamente atingiria qualquer trabalhador brasileiro com o seu perfil, Paulo Pimenta teve 39 presenças e 14 faltas às sessões (ordinárias e extraordinárias) em plenário, entre a prisão de Lula, em 7 de abril, até a conclusão das articulações do habeas corpus que resultaram na decisão do desembargador do TRF-4, o petista Rogério Favreto, no último domingo (8). E, dessas 14 faltas nas sessões em plenário, oito foram decorrentes de “missões autorizadas”.

Já nas comissões de que faz parte, Paulo Pimenta não compareceu a nenhuma das cinco audiências e reuniões que ocorreram em 2018. Mas “justificou” duas das faltas.

‘Justificativas’

A Câmara considera como dia de presença do deputado, se este estiver presente em uma das sessões em plenário naquele dia. Sob este aspecto, em todo o ano de 2018, oficialmente foram considerados 38 dias de presença de Pimenta em plenário, e 13 dias de faltas.

Desde 2015, foram 13 dias de faltas com a justificativas de “licença para tratamento de saúde”, 22 “missões autorizadas”, cinco por “decisão da Mesa” e quatro ausências sem justificativas.

Veja o desempenho decadente de Paulo Pimenta, em sessões plenárias:

Em 2015: 92% de presença

Em 2016: 92,6% de presença

Em 2017: 88,2% de presença

Em 2018: 74,5% de presença

(Fonte: Câmara dos Deputados)

Redação
Redação
| Atualizado