17 de Março de 2017
Os gastos com propaganda da Agência Nacional do Cinema (Ancine), feudo do PCdoB há mais de 13 anos, superam a verba de todo o Ministério da Cultura nessa área. O contrato foi assinado em 2013, com prorrogações e aditivos, e cabe à DM9, agência fundada por Duda Mendonça, gastar a verba de R$ 20 milhões. O valor supera em 40% os R$12,4 milhões destinados pelo Ministério da Cultura a publicidade.
A turma que nunca presta contas pressiona o ministro Roberto Freire a manter na Ancine o presidente-carrapato Manoel Rangel Neto.
O nome favorito dos que defendem a mudança na Ancine é o de José Antonio Severo, diretor, roteirista e jornalista.
O PCdoB é acusado de usar cargos da Ancine para “premiar” militantes desgastados em entidades que aparelham como UNE, Ubes etc.
A Ancine tem usado artistas, diretores e produtores que financia para promover protestos contra o governo Michel Temer, no exterior.
Publicidade
A senadora Katia Abreu, ex-DEM, que ainda escapa da prometida expulsão do PMDB, agora articula a candidatura de Dilma pelo Tocantins, seu Estado, formando dupla para o Senado, em 2018. De adversária ferrenha de Dilma, a senadora virou sua mais íntima amiga após ganhar o cargo de ministra da Agricultura. Sua atitude agressiva, no impeachment, gerou um movimento para expulsá-la do partido.
Ministros do STF admitiram a esta coluna que uma eventual candidatura de Dilma será barrada no Supremo Tribunal (STF).
“Provocado”, o STF fará cumprir o artigo da Constituição que prevê suspensão de direitos políticos de presidente que sofre impeachment.
Armação de Renan com Ricardo Lewandowski “fatiou” ilegalmente o artigo da Constituição que vincula o impeachment à inelegibilidade.
A operação Lava Jato completa três anos nesta sexta (17), após meter na cadeia o doleiro Alberto Youssef. Ao “fisgar” o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, acabou por desmantelar o maior esquema de corrupção política do planeta. O Brasil está de parabéns.
Completa-se também nesta sexta o quarto mês de prisão domiciliar de Alberto Youssef. Condenado a 121 anos de cadeia, teve a pena reduzida para três anos como prêmio por sua colaboração.
Na Assembleia Legislativa Estadual de Alagoas, ontem, não apareceu um só deputado governista disposto a fazer discurso de solidariedade ao governador Renan Filho ou a seu pai, citados na Lista de Janot.
O PMDB capricha no programa que vai exibir na próxima semana, em rede nacional. O presidente Michel Temer será definido como “o homem certo, na hora certa”. As inserções terão 30 segundos.
Azedou o clima entre alguns delegados e procuradores da Lava Jato. Há uma certa disputa entre as corporações pelo protagonismo na operação, a mais amada pelos brasileiros.
A coisa devia estar feia (e suja) no Senado, quando o novo presidente assumiu. A Casa encomendou 12 mil unidades de detergente Minuano. Mil são consumidas por mês, ou sejam, 500 litros de detergente.
O 13º Batalhão da PM de Brasília instituiu pontuação para premiar os policiais com folgas. Cada 100 pontos dá direito a um dia. Flagrante de crime grave vale 30 pontos. O problema é chamar o crime pelo nome certo. Na portaria da PM, extorsão mediante sequestro virou “extorção”.
O polêmico projeto da “Lei das Teles”, que entregará mais de R$100 bilhões às empresas de telecomunicações, não tem data para ser votado. E só será discutido após decisão do Supremo Tribunal Federal.
...o projeto de anistia ao caixa dois segue em busca de alguém no Congresso para chamar de pai (ou mãe).
Publicidade
busca
colunas anteriores

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2017 - Todos os direitos reservados