Publicidade
12 de Março de 2017
Políticos se derramaram em elogio às mulheres, no Dia Internacional celebrado em 8 de março, mas pouco fazem para alterar o machismo que caracteriza essa atividade: no Brasil, elas ocupam apenas 11,8% de todos os cargos de representação parlamentar, nos âmbitos estadual e federal. Hoje, há 1.575 deputados federais, estaduais e distritais, dos quais 1.390 são homens e só 185 são mulheres,
As mulheres são menos representadas no parlamento, no Brasil, do que em países como a Namíbia e Etiópia, na África.
Na Câmara, as 60 deputadas federais ocupam 11,7% de 513 vagas. No Senado, a proporção sobe para 13,6%, com 11 senadoras em 81.
Nos Estados e no Distrito Federal, a representação feminina é similar à média federal: dos 1.062 mandatos, 125 são de mulheres (11,7%).
A Assembleia Legislativa do Amapá é a mais equilibrada em todo o País: de 24 deputados estaduais, 13 são homens e 11 são mulheres.
Publicidade
Além dos 81 senadores no exercício do mandato e outros quatro licenciados por mais de 120 dias, o contribuinte paga por mais 61 senadores aposentados como Aloizio Mercadante (PT-SP), José Sarney (PMDB-AP), Eduardo Suplicy (PT-SP) e Jorge Bornhausen (ex-PFL, atual DEM-SC). Até 1999, parlamentares conseguiam emplacar a aposentadoria com só oito anos de contribuição. Agora é proporcional.
Ex-senadora e ex-ministra de Dilma, Ideli Salvatti (PT-SC) ficou no Senado por 7 anos. Hoje recebe aposentadoria de R$ 7,7 mil por mês.
Gerson Camata, ex-senador pelo PMDB do Espírito Santo, por exemplo, recebe aposentadoria integral de R$ 33,7 mil por mês.
O salário de senadores é de R$ 33,7 mil, além da cota parlamentar a título de “ajuda de custo” e auxílio-moradia de R$ 95 mil/mês.
Sempre que um senador se licencia, o contribuinte gasta no mínimo R$67,5 mil com o suplente que assume. Correspondem a dois salários pagos a título de “ajuda de custo”. Desde 2011, 108 titulares e 38 suplentes de senadores receberam salário extra, ao assumir mandato.
O caso da denúncia contra a reeleição de Dilma, no Tribunal Superior Eleitoral, tem sido na prática atrasado pelo PSDB, o autor. A cada novo aditamento, engrossando denúncias, reabre-se o prazo para defesa.
Deve ser aprovado na Câmara o regime de urgência para o projeto da lei orgânica da Advocacia-Geral da União. Caso aprovado, haverá duas novas carreiras no órgão e mais 3 mil vagas para analistas e técnicos.
O ministro Roberto Freire (Cultura) revelou em artigo no portal Diário do Poder que uma força-tarefa examina a prestação de contas de 20 mil projetos beneficiados pela Lei Rouanet. O desleixo dos governos do PT foi criminoso: a PF identificou fraudes no valor de R$ 180 milhões.
Relator da reforma do Ensino Médio, o senador Pedro Chaves alerta para um dado alarmante: os custos dos altos índices de repetência e abandono escolar chega a custar R$ 35 bilhões por ano ao Brasil.
Artigo no site do PT no Senado defende a soltura do almirante Othon Pinheiro da Silva, ex-Eletronuclear, condenado na Lava Jato a 43 anos de cadeia por roubar o País. Para os petistas, “não há provas”.
O senador Lasier Martins (PSD-RS) reapresentou o texto original das “Dez Medidas Contra a Corrupção”, segundo ele, para proteger os investigadores “das investidas emasculadoras” em curso na Câmara.
O Tribunal de Justiça da Bahia acertou convênio com os Vigilantes do Peso para submeter os servidores a dieta que lhes reduzam o peso. Acarajé, bobó de camarão, e outras iguarias com óleo de dendê, nem pensar. Espera-se que a conta não seja paga pelo contribuinte.
...sobraria um bom dinheiro para aposentados e pensionistas se a reforma da Previdência incluísse o fim da aposentadoria de políticos.
Publicidade
busca
colunas anteriores

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2017 - Todos os direitos reservados