Publicidade
11 de Agosto de 2017
Após 8 anos, o Ministério Público Federal denunciou 72 ex-deputados que gastaram, em média, R$116 mil em passagens aéreas, totalizando custos de mais de R$8 milhões. Os valores até são interessantes, mas irrisórios se comparados aos gastos anuais de mais de R$ 47,5 milhões dos deputados federais com passagens. Se incluir as diárias, que são associadas às passagens, somente em 2017 foram R$ 107,1 milhões.
Em 2017, até agora, o recordista em gastos com passagens aéreas é Vander Loubert (PT-MS): suas 364 viagens custaram R$ 309 mil.
No caso ocorrido há 8 anos, o MPF acusa o ex-deputado Henrique Lima de gastar R$ 245 mil na compra de 434 passagens.
Ilderlei Cordeiro, com 388 passagens a R$248 mil, e Nilson Mourão, com 355 bilhetes a R$229 mil, fecham o “top 3” da denúncia do MPF.
A ONG Política Supervisionada denunciou 178 parlamentares e 42 fornecedores suspeitos de irregularidades com passagens desde 2014.
Publicidade
A ditadura de Nicolás Maduro, herdeiro político de Hugo Chávez na Venezuela, que para o PT é o “farol do socialismo”, empobreceu aquele país a tal ponto que o comércio com o Brasil despencou de mais de US$6 bilhões para quase US$1,3 bilhão por ano, segundo revelou o ministro Aloysio Nunes (Relações Exteriores). Os dados são de 2016. A expectativa é que ao final de 2017 o resultado seja ainda mais trágico.
Venezuela sofre a chamada “tempestade perfeita”: grave crise política, grave crise econômica e grave crise humanitária.
No terceiro trimestre de 2016 o Brasil exportou para a Venezuela cerca de US$980 milhões; representa queda de 60% em relação a 2015.
Sem divisas e sem mercado, economia em frangalhos, as importações venezuelanas caíram quase 90% no primeiro semestre de 2017.
Enquanto no Brasil políticos salivam com o “fundão” de R$3,6 bilhões para custear suas campanhas, em Portugal já se discute o fim do financiamento público. E olhe que as eleições autárquicas (municipais) de lá, em 1º de outubro, custarão R$14 milhões em todo o país.
O prefeito de São Bernardo (SP), Orlando Morando, definiu assim a herança que recebeu da gestão petista: “Tem que abrir cada armário com muito cuidado, pode haver esqueleto. E, atrás, uma mala”.
Virou jogo na internet a ovada no prefeito João Dória, em Salvador (BA). O jogo é gratuito e foi criado por Alex Leal, autor do jogo “Dilma Adventure”, de 2010. Ganha pontos quem acerta mais ovadas no alvo.
A Operação Correlatos, deflagrada em Alagoas pela Polícia Federal, esta semana, decorre da Operação Sucupira, inspirada em reportagens em que o site Diário do Poder denunciou propina de R$108 mil para professores da Ufal favorecerem assessores do governo estadual.
A ignorante que chefia a “diplomacia” venezuelana elogiou o governo Temer: o Brasil “é vergonha mundial”, disse, por apoiar a suspensão da seu país do Mercosul. Pega bem ser mal falado pela ditadura Maduro.
Audiência pública na Câmara discutirá, quarta (16), a venda da Petrobras Argentina à Pampa Energia a preço (muito) camarada, no dia do impeachment de Dilma, sob gestão Aldemir Bendine, que foi preso.
Enquanto as família se trancam e tentam se proteger com grades, os presos no Brasil têm “direito” a 30 dias por ano fora da cadeia, desde que tenham “bom comportamento” – como se isso não fosse obrigação de todos. A folga é distribuída durante os vários “saidões”.
O novo prefeito de Miguel Leão (PI) Robertinho (PR) venceu a eleição suplementar no domingo (6) e comemorou o “enterro do mito” Lula, que foi o principal cabo eleitoral do candidato Jailson, do PT, o derrotado.
Veículos que se sentiram derrotados por Temer, na semana passada, apuram outra grave denúncia: o presidente tem mal hálito quando acorda.
Publicidade
busca
colunas anteriores

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2017 - Todos os direitos reservados