06 de Janeiro de 2017
O presidente da CPI da Lei Rouanet, deputado Alberto Fraga (DEM-DF), determinou prazo de dez dias para que empresas que apoiaram projetos culturais do Grupo Bellini enviem todos os documentos dos patrocínios para a comissão. O grupo Bellini, alvo da Polícia Federal no âmbito da Operação Boca Livre, recebeu R$ 94,76 milhões de diversas empresas investigadas pela comissão parlamentar de inquérito.
A Boca Livre, cujo inquérito foi aberto em 2014, investiga fraudes do Grupo Bellini com recursos captados sob o amparo da Lei Rouanet.
Só a Scania Latin America repassou ao grupo R$ 13,38 milhões. Mas a CPI pede esclarecimento de mais de 30 patrocinadores.
O requerimento pedindo os dados das empresas é do deputado Izalci (PSDB-DF), mas não foi aprovado pela comissão da Câmara.
O problema, segundo as empresas investigadas, é que o presidente da CPI não poderia fazer a solicitação sem aprovação do requerimento.
Publicidade
Aliados desde a formação do governo Lula até o impeachment de Dilma, o PT concorda apoiar um nome escolhido por Renan Calheiros para disputar a presidência do Senado, em fevereiro. A ideia seria garantir que um senador peemedebista concorresse contra o atual líder da bancada, Eunício Oliveira (CE), o favorito para substituir Renan. A repetição da dobradinha Renan-PT não agrada toda a bancada petista.
Renan Calheiros não apoia publicamente nome para substitui-lo. Nem o faria. Só vai declarar apoio quando tiver certeza de quem vai vencer.
Discute-se no PT até lançar um candidato próprio, apesar de haver divisão dentro da própria bancada de senadores.
Com um candidato na disputa, o PT tenta enfraquecer Eunício e aposta numa “terceira via” no Senado, que pode atrapalhar o governo Temer.
Habituada a passar a mão na cabeça de bandido, a hipocrisia nacional aponta “a sociedade” ou “o sistema prisional falido” como culpados pelo “massacre” de Manaus. Mas os responsáveis têm nome e sobrenome: sete criminosos que decidiram cortar as cabeças de bandidos rivais.
O vice-prefeito de Manaus, Marcos Rotta (PMDB), defende uma reforma política. No entanto, segundo ele, ninguém no meio político está interessado na reforma. “Não sabemos onde vamos parar”, diz.
Levantamento do Sindicato dos Auditores Fiscais revela defasagem de 83% na tabela do Imposto de Renda. Dilma vetou a correção de 6,5% em 2015, igual à inflação, e em 2016 a correção foi a metade do índice.
Condenado a 6 anos de prisão por desviar recursos públicos e foragido há mais de 30 dias, Carlinhos Bentes (PSDB), ex-prefeito de Terra Santa (PA), tentou obter habeas corpus, mas o ministro Joel Paciornik, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou.
Carlos Marun (MS) tenta levar Paulo Rios Júnior, um ex-assessor, ao comando da Funai no Estado, mas o senador Pedro Chaves (PSC-MS) pede cautela na indicação, que cabe ao PSC e não ao PMDB de Marun
Como as autoridades se mostram incapazes de impedir o crime, voltou com força o golpe do IPVA falso, principalmente em São Paulo. O falso boleto parece autêntico, mas quem o pagar perderá o dinheiro.
Inventores da nossa torturante burocracia, os portugueses ainda impõem a turistas estrangeiros longas filas para carimbar passaporte, no aeroporto. Quem reclama, por temer perder o voo, é expulso da fila.
Em outubro, o deputado Rogério Rosso (PSD-DF) pediu o reembolso de R$ 12.375,95 com passagens aéreas, mesmo morando em Brasília. Rosso voou seis vezes para São Paulo e duas para Belo Horizonte.
Quantos dos cinco presídios federais anunciados serão construídos por empreiteiras enroladas em esquemas de corrupção?
Publicidade
busca
colunas anteriores

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2017 - Todos os direitos reservados