Publicidade
04 de Agosto de 2017
Além livrar Michel Temer da denúncia da PGR, a articulação para salvar seu governo favoreceu a recomposição de grande parte da base de apoio. É matemático: os 263 votos de quarta (2), mais que a maioria absoluta da Câmara, mostraram Temer a 45 votos dos 308 necessários à aprovação da reforma da Previdência. Os 45 votos serão garimpados entre os 62 deputados de partidos aliados que votaram contra Temer.
Os 21 tucanos contra Temer apoiam a reforma da Previdência, além dos 19 ausentes. Somados aos 263, o governo conta com 293 votos.
Votaram contra Temer: PMDB (6), PP (7), PR (9), DEM (5), PSD (14), PTB (2) PRB (7). São 50 votos possíveis em favor da reforma.
O governo está animado: a maioria dos deputados de partidos aliados que votaram contra Temer sempre defendeu a reforma da Previdência.
O governo aposta que será mais fácil convencer deputados de partidos aliados a votar pela reforma do que livrar Temer da denúncia.
Publicidade
O PSDB deve perder espaço no governo, após se dividir na votação da denúncia da PGR, mas Michel Temer não quer perder o partido de vista. Temer tem a clareza de que o seu desafio agora é ainda contemplar tucanos com ministérios, mas de importância menor, e sobretudo deixar satisfeitos partidos como PMDB, PP e PTB, que, ao contrário do PSDB, enfrentaram o desgaste para apoiar o presidente.
Temer gosta dos dois, mas pode nomear o tucano Bruno Araújo no ministério do Turismo e o ministro Marx Beltrão (PMDB) em Cidades.
Cresceram de importância junto a Temer, após a votação de quarta (2), partidos como PMDB, PP, DEM, PTB e PR, que serão premiados.
O PSDB não abandonará o uso do cachimbo, que é ganhar todos os bônus de fazer parte do governo e, no Congresso, fazer cara de nojo.
O deputado Pauderney Avelino (DEM-AM) está revoltado com Davi Almeida, governador interino, por insinuar um suposto acerto com o ministro Ricardo Lewandowski (STF) para suspender a eleição ao governo do Amazonas, marcada para domingo (6). Mas é só fofoca.
O governador interino do Amazonas contratou advogados a peso de ouro para impedir a eleição de domingo. Prefere ser efetivado por via indireta: presidente da Assembleia, controla os votos dos deputados.
Ministros do TCU devem investigar denúncia de que integrante da sua Secretaria de Recursos, uma das mais poderosas do tribunal, tentou convencer um ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal a assumir causa bilionária que poderá passar pelo seu crivo, no futuro.
O presidente Michel Temer não é do tipo que guarda rancor, mas aprecia muito a célebre advertência do ex-presidente americano John Kennedy: “Perdoe seus inimigos, mas nunca esqueça de seus nomes.”
Chega a Brasília o Clube de Permuta, ideia engenhosa que já reúne 400 empresários de Minas. Eles diminuem seus custos operacionais fazendo negócios entre si por meio de permuta de produtos e serviços.
Passa bem o Pixuleco atacado a unhadas pela deputada Maria do Rosário (PT-RS) e a dentadas por seu colega Paulo Teixeira (PT-SP). Mas captou a mensagem: na próxima, levará seguranças com ele.
Médico admirado em Alagoas, Hemerson Casado luta pela pesquisa da esclerose lateral amiotrófica (ELA) desde que soube do diagnóstico da terrível doença. Agora, recebeu do senador Benedito de Lira (PP-AL) uma boa notícia: seu instituto será credenciado no Ministério da Saúde.
Foi do repórter Marcelo Bechler, dos canais Esporte Interativo, o “furo” da troca de Neymar do Barcelona pelo PSG. A concorrência tentou desacreditar a notícia, oficialmente confirmada nesta quinta (3).
...a oposição não aceita um denunciado na Presidência porque prefere um condenado.
Publicidade
busca
colunas anteriores

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2017 - Todos os direitos reservados