01 de Outubro de 2017
Tucanos anti-Michel Temer, que o Planalto chama de “cabeças pretas”, reclamam do relator da segunda denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) porque não têm votos suficientes, na bancada, para reverter a escolha de Bonifácio de Andrada (PSDB-MG). Estimativas da oposição indicam que aumentou o número de deputados do PSDB que não vão apoiar a segunda denúncia da PGR contra o presidente.
O nome do deputado Bonifácio Andrada era o preferido do presidente Michel Temer desde a primeira denúncia. Agora não deu outro.
O presidente da CCJ da Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), listou três nomes para a função de relator. Acabou abrindo mão dos três.
O Planalto aposta em apoio maior do PSDB, na segunda denúncia. Na votação da primeira, o placar foi apertado: 21x20.
O juiz Ademar Vasconcelos, ex-titular da Vara de Execuções Penais do DF, foi aluno de Bonifácio Andrada: “suas aulas eram memoráveis”, diz.
Publicidade
Os novos áudios divulgados pela revista Veja animaram o presidente Michel Temer e assessores no enfrentamento das denúncias. Destacados para ouvir várias vezes as gravações, assessores levaram a Temer a certeza de que o conteúdo reforça que os “meliantes” (como se referem a Joesley Batista e seus cúmplices) fizeram uma grande armação para destruir o presidente e, em troca, garantir a impunidade.
O grupo de Joesley é investigado em seis operações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, como Lava Jato e Zelotes.
Na avaliação do Planalto, os áudios mostram que autoridades do MPF foram manipuladas pelos delatores para fazer o que eles queriam.
Fica claro nos áudios, para o Planalto, que o doleiro Lúcio Funaro foi pago para delatar Temer quando Joesley mandasse “fechar a tampa”.
O deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), que foi relator da reforma trabalhista, acha que o “fundão eleitoral” de R$1,8 bilhão não passa na Câmara. “Se passar será por votação apertada”.
Na defesa da convocação de Dilma à CPI da JBS, o deputado João Rodrigues (PSD-SC) lembra que Joesley & Cia citam extratos detalhando os depósitos feitos em conta atribuída a Lula e Dilma.
O presidente Michel Temer deve indicar para o conselho da Anatel o potiguar Emanoel Campelo, que seria ligado ao ex-deputado Henrique Alves. O ministro Gilberto Kassab (Comunicações) não gostou.
Senadores do PMDB, Renan Calheiros e Jader Barbalho, mais queimados que espeto de churrasco, têm o mesmo problema para 2018: viabilizar a reeleição e não atrapalhar os filhos nas urnas.
Ex-vice de Eduardo Cunha na Câmara, Waldir Maranhão (Avante-MA) será investigado por ordem do ministro Edson Fachin. É acusado de receber R$2,47 milhões da construtora Queiroz Galvão, através do PP.
Proposta do senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) impõe quarentena de três anos para procuradores que deixem a carreira. A Constituição prevê esse prazo para magistrados e o estende a ex-membros do MP.
Apesar de os juros terem caído quase à metade em relação ao governo Dilma, os bancos não reduziram as taxas para o consumidor. A taxa é de 8,25%, mas o Itaú só financia por 10,1%. A Caixa, o menor, 9,33%.
OAB pediu a imprensa de Alagoas para omitir do noticiário advogado envolvido em escândalo. No Rio, o Flamengo proíbe o jornalista Diogo Dantas, do Extra e do Globo, de fazer perguntas ao técnico do time.
Alguém precisa lembrar à turma dos recibos de Lula que este domingo não é 31 de setembro.
Publicidade
busca
colunas anteriores

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2017 - Todos os direitos reservados