Publicidade
24 de Maio de 2017
A mudança de Joesley Batista & caterva para os Estados Unidos não garante a imunidade que conseguiram no Brasil. Lá, a Justiça é severa na punição de empresas que, operando no país, pagam propina ou suborno no exterior. A JBS USA, em Greeley, sede de 56 unidades de produção de Joesley nos EUA, está sujeita ao rigor da Lei de Práticas Corruptas no Exterior (FCPA, sigla em inglês). A JBS USA responde por mais de 50% do faturamento de R$170 bilhões do grupo JBS.
Como não terá vida fácil com a Lei de Práticas Corruptas, os donos da JBS tentam acordo de leniência no Departamento de Justiça dos EUA.
A estratégia é atribuir a corrupção no Brasil à “J&F”, blindando a JBS USA do escândalo, na tentativa de escapar da punição da FCPA.
A FCPA foi criada especificamente para evitar o suborno de governos estrangeiros em troca de benefícios para empresas americanas.
Especialistas em legislação criminal americana acham que a JBS USA pode estabelecer o recorde histórico de multas com base na FCPA.
Publicidade
Ao menos um dos investigados na Operação Panatenaico, deflagrada nesta terça-feira (23) pela Polícia federal, pessoa muito ligada ao ex-governador do DF Agnelo Queiroz (PT), manifestou interesse imediato de negociar um acordo de delação premiada. A informação é de fontes de outros órgãos envolvidos na apuração do superfaturamento de R$900 milhões da obra do Estádio Mané Garrincha, em Brasília.
Preso ontem, o ex-vice-governador Tadeu Fillippeli já trabalhava na construção da sua candidatura ao governo do DF. Acabou.
Nilson Martorelli e Maruska de Holanda, ex-dirigentes da Terracap, absolvidos em 2015 de irregularidades no estádio, foram presos ontem.
O que faziam órgãos de controle, como Tribunal de Contas do DF, enquanto superfaturavam R$900 milhões na obra do Mané Garrincha?
O lugar mais perigoso do Brasil é o 3º andar do Planalto. Um ano depois, Michel Temer balança e já caíram quatro dos seus assessores mais especiais: José Yunes, Rodrigo Rocha Loures, Tadeu Fillippeli e o ex-ministro Geddel Vieira Lima. Todos trabalhavam no 3º andar.
A JBS perdeu R$7,45 bilhões em valor de mercado em apenas um dia. O valor da companhia chegou a R$16,32 bilhões ao fim do pregão de segunda-feira, contra R$ 23,77 bilhões no fim do dia na sexta-feira (19).
O ex-ministro José Dirceu, condenado nos escândalos do mensalão e da Lava Jato, continua com a carteirinha da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O registro nº 90792 está “ativo”, segundo a OAB-SP.
O Instituto Teotônio Vilela, do PSDB, chama de “blitzkrieg” a divulgação da delação de Joesley Batista, que gravou Michel Temer. É a tática militar alemã, da Segunda Guerra, de ataques rápidos e de surpresa.
Podem parecer expressivos os R$11,1 bilhões pretendidos pela Justiça da turma de Joesley Batista. Mas o detalhe é que isso será pago em 10 anos (!). Uma moleza para quem hoje fatura a R$170 bilhões por ano.
Nas redes sociais, petistas se dizem “chocados” com a profusão de palavrões do senador Aécio Neves (PSDB-MG). Estão certos. Afinal, o líder petista Lula sempre se comportou como um lorde inglês...
A gestão privada do Hospital da Criança de Brasília (HCB), da Abrace, foi elogiada pelo promotor Jairo Bisol após visita. “Fiquei impressionado com o Hospital que está montado, funcionando e é bem completo”.
“Divulgar diálogo entre jornalista e fonte é parte de estado policial. Fere liberdades sérias”, disse a deputada Maria do Rosário (PT-RS) contra o vazamento da conversa do jornalista Reinaldo Azevedo com Andrea Neves, irmã do senador tucano Aécio Neves (PSDB-MG).
A condenação de Paulo Maluf 21 anos após o crime indica que a Justiça só vai bater o martelo final sobre Lula em 2038?
Publicidade
busca
colunas anteriores

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2017 - Todos os direitos reservados