Publicidade
24 de Janeiro de 2017
O ministro Ives Gandra Martins Filho, presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), lidera as apostas para ser indicado pelo presidente Michel Temer à vaga do ministro Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federa (STF). Magistrado muito admirado, Ives é conhecido por sua firmeza, pela serenidade e coragem. Rigoroso e incorruptível, há anos ele fez voto de pobreza. Vive em acomodações da Igreja, em Brasília.
Ao assumir a presidência do TST, o ministro Ives cancelou projetos e benesses que onerariam os cofres públicos em mais de R$1 bilhão.
Vários ministros do próprio Supremo integram o fã-clube de Ives Gandra Martins Filho, como já atestou Michel Temer pessoalmente.
No STF, o ministro Ives poderia dar sequência à sua verdadeira cruzada contra excessos de decisões da própria Justiça do Trabalho.
Pegou bem Temer só indicar o novo ministro após a escolha do novo relator da Lava Jato. “Decisão de estadista”, diz um ministro do STF.
Publicidade
Os tucanos devem confirmar apoio a Eunício Oliveira (PMDB-CE) para a presidência do Senado, dia 2, mas têm uma lista de exigências que começa com a retomada da vice-presidência, que ocupava no passado recente. Cássio Cunha Lima (PB) deve ser indicado vice-presidente do Senado, e o PSDB indicará os presidentes das importantes comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e a Mista de Orçamento (CMO).
“Vou lutar pela Comissão Mista de Orçamento”, avisa Ataídes Oliveira (MT). Os tucanos querem também suplências e vice de secretarias.
Na ampla aliança que deve eleger Eunício Oliveira presidente do Senado, o PT se contenta com a primeira-secretaria.
Assim como na Câmara, a Mesa Diretora do Senado deve reduzir as atribuições da primeira-secretaria, responsável pela chave do cofre.
Rigoroso, preparado e brilhante, o mineiro João Otávio de Noronha, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), atual corregedor-geral, também é nome forte para ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).
Favorito na disputa para presidente do Senado, Eunício Oliveira acredita que o paraibano Raimundo Lira, um dos seus principais aliados, é favorito para assumir a liderança do PMDB.
De primeiro mandato, Rogério Rosso (PSD-DF) jamais teve chance de disputar a presidência da Câmara, mas fez pose de candidato e a mídia acreditou. Acabou desmoralizado pelo apoio do PSD a Rodrigo Maia.
A “América grande” fica menor: eliminando a versão em espanhol do site da Casa Branca, Donald Trump desmerece quase 57 milhões de pessoas de origem hispânica que vivem nos Estados Unidos. E estimula seus seguidores a adotar atitudes discriminatórias.
O presidente do INSS, Leonardo Gadelha, tem sido alvo de críticas de funcionários do instituto. Filho do ex-senador Marcondes Gadelha, 73, Leonardo é acusado de manter petistas comissionados no INSS.
A crise no sistema prisional não influenciará as ações do Planalto, cuja prioridade é a economia. “A governabilidade tem que existir sem interferência”, diz o líder do governo na Câmara, André Moura.
Ações do ministro Teori Zavascki no STF, que têm uma característica de urgência, como recursos de réus presos ou ações que podem prescrever, devem ser assumidos de imediato por outro ministro.
Se houver chance de prescrever em um ano a pretensão punitiva de ação no âmbito da Lava Jato, uma portaria do STF permite que sua presidente redistribua o processo, a fim de garantir a punição de réus.
...Dilma é o único caso não lamentado de desemprego, dos 12 milhões de brasileiros que seu governo deixou na rua da amargura.
Publicidade
busca
colunas anteriores

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2017 - Todos os direitos reservados